Pesquisar neste Blog

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Para quem gosta de ouvir - Vaqueiro...Valeu Boi!!!

Por Roberto Mariz
Nosso pensamento divaga por vários caminhos. Muitas vezes nos deparamos fazendo conexões e conjecturas sobre vários temas e assuntos. Esta semana, assistindo a um programa de TV, vi um cowboy brasileiro (calbói) campeão de grandes rodeios realizados Brasil a fora. Fiz logo uma ponte com o nosso valoroso vaqueiro que ao invés do rodeio corre a vaquejada. Ao mesmo tempo, fiz outra ponte... para mim que sou nordestino de Pernambuco me apercebi que tinha mais informações sobre os rodeios, espetáculo esportivo inserido na mídia de massa nacional, do que sobre a vaquejada, evento esportivo muito presente na cultura e na vida do sertanejo e muito longe da mídia nacional. O que não faz a TV no nosso juízo!

No intuito de ter mais informações sobre a vaquejada, acessei nossa memória virtual postiça – o Google. Descobri algumas informações interessantes:A vaquejada origina-se da lida com o gado no sertão nordestino. Antigamente, as propriedades não tinham cercas e o gado depois de marcado era solto na caatinga. Depois de certo tempo os vaqueiros saiam para reunir o gado rompendo a vegetação de galhos secos e espinhos com seu gibão de couro – era a pega do boi. 

Alguns animais se reproduziam no mato. Os filhotes eram selvagens por nunca terem mantido contato com seres humanos, e eram esses animais os mais difíceis de serem capturados. Mesmo assim, os bravos vaqueiros perseguiam, laçavam e traziam os bois aos pés do coronel. Nessa luta, alguns desses homens se destacavam por sua valentia e habilidade, e foi daí que surgiu a ideia da realização de disputas.


Vale dizer que existe também a competição da pega do boi que segue a tradição, onde se solta o bicho nas brenhas e os vaqueiros saem em disparada caatinga a fora para pegar o boi e trazê-lo de volta... o cabra tem que ser macho!

O historiador Câmara Cascudo dizia que por volta de 1810 ainda não existia a vaquejada, mas já se tinha conhecimento de uma atividade parecida. Era a derrubada de vara de ferrão, praticada em Portugal e na Espanha, onde o peão utilizava uma vara para pegar o boi. Mas derrubar o boi pelo rabo, a vaquejada tradicional, é puramente nordestina. Na região Seridó do Rio Grande do Norte, mais precisamente no município de CURRAIS NOVOS onde tudo começou, era impossível o uso da vara, pois o campo era muito acidentado e a mata muito fechada, e por essa razão tudo indica que foi o vaqueiro seridoense o primeiro a derrubar boi pelo rabo.

Com o passar dos anos a vaquejada tornou-se um esporte popular e hoje existem clubes e associações de vaqueiros e um calendário de eventos para o ano todo em disputas organizadas regionalmente. A  vaquejada  é  um esporte  regulamentado. O Projeto de Lei do Congresso Nacional, nº 249, de 03 de março de 1998, reconhecidamente um  espetáculo de importância cultural, econômica, turística e muito popular  em  diversas  regiões  do País.


Regras da Vaquejada:
As disputas são entre várias duplas, que montados em seus cavalos perseguem pela pista e tentam derrubar o boi na faixa apropriada para a queda, com dez metros de largura, desenhada na areia da pista com cal. Cada vaqueiro tem uma função: um é o batedor de esteira, o outro é o puxador.
O Batedor de Esteira
É o encarregado de "tanger" o boi para perto do derrubador no momento da disparada dos animais e pegar o rabo do boi e imediatamente passar para o colega, alem de empurrar com as pernas do seu cavalo, o boi para dentro da faixa caso o boi tente levantar-se fora da faixa.
O Puxador
É o encarregado de puxar o rabo do boi e de derrubá-lo dentro da faixa apropriada.
O Juiz

O juiz serve como árbitro na disputa entre as duplas e deve ficar ao alto da faixa onde o boi será derrubado. Ao cair na pista, dependendo do local, pontos são somados ou não a dupla.
Se o boi for derrubado dentro da faixa apropriada para esse fim, com as quatro patas para o ar, ele grita para o público: "Valeu Boi", então, soma-se pontos a dupla, se isso não acontecer, ele fala: "Zero", a dupla não consegue somar pontos.


No Nordeste, desde a colonização, o gado sempre foi criado solto. A coragem e a habilidade dos vaqueiros eram indispensáveis para que se mantivesse o gado junto. O vaqueiro veio tangendo os bois, abrindo estradas e desbravando regiões. Foram eles os grandes desbravadores do sertão nordestino, região cheia de contos e lendas de bois e de vaqueiros... VALEU BOI!!!!

Postar um comentário